Páginas

quinta-feira, 29 de março de 2012

.Viver é mesmo muito GRANDE!.

"Estamos sempre partindo.
Sempre dizendo adeus."
[Richard Bach in Fernão Capelo Gaivota]
--


Escrevo sobre meu tio avô, Edílson, que voou...

Não éramos tão próximos mas, como boa observadora que sou, percebia as características de um autêntico aquariano (como eu). Amava os bichos. E, em todo Quixadá, por muito tempo, ele foi um dos melhores veterinários da cidade. Nunca estudou. Foi à escola algumas vezes, mas era "aquariano demais" para os padrões da época. Pelas histórias que ouvi, ao longo da vida, era uma pessoa que gostava de viajar de trem, caminhão, carro, viajar... Essa mania que aquariano tem de não suportar a mesmice que os demais se conformam viver. Viveu e morreu como queria. Talvez essa sua liberdade tenha sido sua grande riqueza. Um tesouro.

Um dado importante sobre o tio Edílson é esse: Ele amava pássaros! Tinha aos montes, imitava os cantos com assobios, conversava com eles e ficava bravo quando alguém falava que ele precisava abrir as gaiolas. Uma vez, lembro, ele me disse (para justificar as gaiolas) que eles, os pássaros, gostavam dele porque ele gostava muito dos pássaros. Eu entendi, eram os amigos dele, os mais fiéis, os que cantavam para ele, os que aceitavam sei jeitão impertinente de ser.

Mas esse post não é um post fúnebre (parece, mas não é.). Ele nasceu após conversa por telefone com minha avó (e irmã do meu tio). Falávamos exatamente sobre a morte dele. Eu falei que estava triste por ele ter morrido "sozinho" em casa e ela me falou sobre sua tristeza pela perda de mais um irmão. Mas, tranquilamente, ela me falou essa coisa linda assim:

"Eu acho que na hora que ele estava se acabando, ele foi levado por um monte de passarinhos...foi subindo com o monte de passarinho voando" (sic)

Me emocionei... Eu sempre me emociono.
E lhe disse que Deus não desampara nenhum de nós e que ele deve ter sido muito bem acolhido e deve estar onde é sempre primavera, com todas as espécies de pássaros que ele jamais sonhou conhecer. Afinal, há muito a aprender sobre pássaros.

Viver, morrer, viver.
Entre uma coisa e outra, o "recheio" pode ser muito doce... Precisa ser! Precisa valer a pena.
Minha avó sabe disso. Possui memórias muito caras e é a elas que se apega. Sempre lembra dos risos, das alegrias, as pessoas vivem em sua memória. Minha avó não fala em sofrimento. Possui "a saúde que aprendeu com a vida". É um bom exemplo que tenho. Ela sabe o incompreensível e irremediável:

Viver é mesmo muito GRANDE!!!

Na playlist do meu coração:

Sejamos felizes!
Aline.

[Image: Deviantart | Título: Richard Bach]

3 comentários:

@Francisquices disse...

Viver é mesmo muito grande, Aline. Acho que poucos sabem, acredito que temos muito aprender com aqueles que tem uma certa caminhada mais que a gente.

amelia disse...

A tua sabedoria expressa por todas nós, a admiração e ESSE GRANDE AMOR QUE TEMOS PELOS NOSSOS FAMILIARES.

Aos que foram... nossa saudade

Aos que aqui estão o desejo de vida longa com AMOR e UNIÃO.

Ana Valeska Maia disse...

Aline,
Fiquei emocionada com teu texto. Vi a cena dos passarinhos com teu tio.
Beijo grande minha Flor.