Páginas

quinta-feira, 29 de abril de 2010

.Dos encontros.


[imagem: deviantart]

"E a terra era criancinha ainda, quando eu comecei te amar."
[Oliveira de Panelas]
.
.
.
Mesmo com a incrível correria dos dias, não me furto aos bons encontros pela vida! Amo o humano, tão constituído de memórias e afetos... Gosto de saber da vida das pessoas! Por que me emociono e aprendo junto com elas. E, todas as vezes o que importa mais na vida de toda gente é o amor que receberam, que doaram ou não.

Ontem voltando para casa (após um dia longuíssimo de trabalho) seu Hélio, motorista por amor e morador apaixonado da Barra do Ceará (que segundo ele: "não troca sua casinha por nenhuma cobertura em bairro 'nobre'), me contou sobre um amigo de infância que teve. Não sei como essa conversa começou, nem porque as pessoas me contam coisas tão bonitas... Às vezes penso que é porque elas, as pessoas, percebem que vivo em busca de histórias bonitas, rss.

Seu Hélio, me contou que hoje, avô de três crianças lindas, zela para salvar os netos dos "maus caminhos" de seu bairro. Me disse orgulhoso que é o seu "próprio herói", por nunca ter entrado nos caminhos ruins e tão fáceis que a periferia oferece. Disse sorrindo muito largo e entusiasmado: "Nasci, me criei e vivo na favela. Eu amo a favela, só tenho medo e me entristesse a violência e os caras que querem levar todo mundo pro mal. Mas na favela tem tanta gente boa, dona Aline! Tanta gente de inteligência grande. Tanta gente com vontade de crescer..."

E eu emocionadíssima! Sim sim, nunca me privo das emoções.

Seu Hélio, um herói, me contou como até hoje se sente triste ao lembrar de seu amigo de infância que morreu jovem em um presídio de cela suja, por envolvimento com o tráfico. Me contou de sua saudade de dois barracos, com duas pequenas janelas (uma de frente para a outra), por onde saltavam sempre (seu amigo e ele) para as brincadeiras nas ruazinhas, de uma Barra do Ceará que nem existe mais. Disse-me, com a voz trêmula, que seu amigo tinha "o coração mais bonito que ele já tinha visto" , e ficou meses a fio chorando a sua trágica morte, por que ele não merecia isso. E me perguntou sério:

- Será que depois de morto ele foi feliz, do jeito que a gente era quando menino?
- Seu Hélio, vou lhe dizer uma frase linda, de uma pessoa que chama Guimarães Rosa: As pessoas não morrem, elas ficam encantadas. Seu amigo está encantado, em algum lugar, sorrindo e sentindo esse sentimento bom do senhor.
- Será hein? Eu até hoje sinto a falta dele...
- Ele deve sentir a sua também, porque amigos são irmãos que nós escolhemos. Acolhemos. Acho que o Sr. é o herói dele também.
- Engraçado que tem gente que marca a vida da gente né?
- É sim. Tem uma canção que diz uma coisa linda: "E a terra era criancinha ainda quando eu comecei a te amar".
- Rapaz que coisa bonita! É mesmo um amor de amigão do peito!
- (Sorrio e, enfim, chego em casa) Seu Hélio grata pela boa conversa! o Sr. é sim um herói!
- Eita que o 'véio' agora tá se achando, rss!
- O 'véio' pode se achar!!! Boa noite!!!

Entrei no elevador pensando nas pessoas que amo desde que a terra ainda era criancinha... Nas que se encantaram, em algum lugar bonito e de paz para elas. E, me emociono, pensando em como as guardo no melhor lugar que soube fazer no meu coração... Aí fiquei tentando lembrar a primeira vez, no tempo, que as vi...

É muito amor, alegria e saudades infinitas.
E você? Lembra a primeira vez que me viu? (:


7 comentários:

Anônimo disse...

minha fulô! como esquecer a 1ª vez que te vi? bela como uma aparição, cabelos negros, sorrindo e perguntando "e tu é de que planeta que não sabe dessa cachoeira?", rss.

"o mundo era criancinha ainda quando eu comecei te amar"...

saudades de tu.
rafael.

Aline Lima disse...

rafinha, minha neblina... você só cabe em uma palavra: SEMPRE!

eu te vejo.
sinto tanto sua falta...

Diogo disse...

Lindo!

Aline Lima disse...

Diogo: gracias! =)

Nilde disse...

Eu lhe vejo desde que a terra era criancinha!
(Tia Nilde)

Aline Lima disse...

aiii... chorei tia Nilde! =)

Euny disse...

eu lhe vejo minha flor, desde sempre. E a Terra voltou a ser criancinha quando tu chegaste.