Páginas

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

.Guardando o mundo em mim.


[imagem: Starry Night de Vicente Van Gogh]

"No azul profundo as estrelas eram cintilantemente esverdeadas, amarelas, brancas, cor-de-rosa, de um brilhante mais vítreo do que em casa – mesmo em Paris: chame-se-lhes opalas, esmeraldas, lapis lazuli, rubis, safiras. Certas estrelas são amarelo-limão, outras têm um rubor rosa, ou um verde ou azul ou um brilho que não se esquece. E sem querer alargar-me neste assunto torna-se suficientemente claro que colocar pequenos pontos brancos numa superfície azul-preta não basta".
[Carta de Van Gogh para o irmão - Theo - em 19/06/1888]
.
.
.
Depois da manhã de hoje e do post da bela Ana Valeska, lembrei de um "pedacinho" de uma carta de Van Gogh por que existem muitos sentimentos que não bastam, também, diante das grandiosidades. É preciso saber olhar. Nosso modelo social busca imagens e é nosso dever (e direito) aprender a ver de verdade e, antes de tudo, nós mesmos diante do mundo.

Há muitas estrelas, de todas as cores, para todos os lados mas, como saber vê-las verdadeiramente? Não vale mais, a esta "altura do campeonato" colocar as coisas em qualquer superfície. Uma das minha maiores dificuldades em conviver é exatamente essa: buscar um lugar exato, centrado, para todas as coisas... Não gosto muito das superfícies e as profundezas, às vezes, nos dão medo (por não se revelarem "de cara"), mas com certeza, são de maior valia que as coisas flutuantes (de vazias) que costumam flutuar, à deriva, por aí.

Procurando olhar as coisas. Entender, lêr as imagens. Entender, de uma forma muito humana, o SER. Acredito no potencial do bem em nossos corações e em nossas consciência. E é exatamente a consciência que não nos permite colocar um "brilho que não se esquece" em qualquer superfície "azul-preta".

Que não acabe nunca o desejo de reconhecermos o "brilho" bom e encontrar um lugar bonito, em nós, para guardá-lo e, compartilharmos entre todos.

Há muito amor.

3 comentários:

Ana Valeska Maia disse...

É sempre bonito compartilhar o olhar da delicadeza com você Aline.
Esses dias foram muito puxados, corre corre de um lado para o outro e muita força de vontade pra manter o centro no lugar certo.
Bjs estrelados, sempre, sempre Flor linda.

Deva disse...

Aline, ontem reencontrei (virtualmente) um amigo muito querido, o José Albano. Entrei na comunidade (Luau do Zé), onde encontrei você e este seu blog. Alguns textos me levaram às lágrimas, pela sensibilidade, estilo e clareza. Você é muito linda! Deva

Aline Lima disse...

Ana: ô querida!!!

Deva: que beleza!!! volta sempre!!!

Beijos!
.aline.