Páginas

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

."Como te chamas, breu? Tempo...".


[imagem: deviantart]

"E suspeitou: por mais que tentasse racionalizá-la ou enquadrá-la, ela sempre ficara muito além de qualquer tentativa de racionalização ou enquadramento".
[Caio Fernando Abreu]
.
.
.
Rafa (minha neblina),

Todas as minhas cartas pra ti começam da mesma forma: Saudades de você comigo. Muitas, sempre. Recebi teu e-mail, choreeei até ter dó de mim, rss. Pra ti meus melhores pensamentos. Eu te amo e te quero sempre bem. Sinto falta dessa tua natureza parecida com a minha, de estar sempre disposto à acolher os outros...Sejam esses "outros" estranhos ou não. O que importa para nós é o abraço, o olho no olho, a descoberta de um novo universo (nesse outro). Meu bichinho bonito, por vezes somos incompreendidos. Não sendo vítima, isso jamais, já que preferimos sempre os vilões. Mas as pessoas andam normais demais. Levando a sério demais a orientação que receberam na infância de não falar com 'estranhos'.

Nós sempre falamos né? Porque, também, somos estranhos, estrageiros de nós mesmos. E isso nos faz descobrir seres incríveis, corações que derretem satélites, sorrisos que ficam grudados na retina. Isso é lindo. Meu amor ,já fazem cinco meses da minha enorme saudade. Ando bem, tem dias que choro ainda... Mas tenho trabalhado bastante pra tentar me distrair. Tenho conhecido bastante pessoas, umas incríveis, outras um tanto normais mas ,não menos apaixonantes. Você sabe como adoro estar com as pessoas, conversar horas a fio,afirmando a tagarelice aquariana, abraços, beijos, cafunés. Eu sou assim.

Tem gente que acha estranho demais esse meu jeito de ir logo trazendo pra perto, fazendo mil planos. Mas Rafa é aquele pensamento teu "perder tempo para quê"? O ser humano é muito lindo, muito fino, é uma oportunidade fantástica quando encontramos um que se disponha a ficar perto. Sem pretenções sexuais, ou com (tanto faz tudo é bom, rss). Mas não peder a chance de criar um laço é uma coisa que sempre penso. Isso aprendi contigo!

A pressa da sociedade moderna, distancia as relações. E nós , queremos o contrário: proximidade, oportunidade de aprendizado. Ô Rafa, como você ninguém mais... Ando me sentindo só... Às vezes me pego triste demais. Mas eu sei que vai passar. Ando rezando aos montes, na tentativa de não desacreditar de tudo. Parece que o céu dos deuses anda silencioso demais para o meu lado. Ou seria eu que ando silenciosa demais para eles?

Muito querer. Muito trabalho. E meu medo medonho é este: de plantar em vão, porque não tenho conseguido acompanhar o crescimento das sementes. E, mais uma vez: crise. Acho que a pior bobagem foi pagar de vez a conta do analista. Mas de repente, achei ridículo demais falar de mim, dos meus sentimentos mais nobres (e de outros tantos tão pequenos), para uma pessoa que era pago para estar ali comigo. Acho lastimável isso, rss. Acho lastimável, da idade que estou ainda ter essas 'crises' meio adolescentes. Às vezes quase sinto vergonha disso sabia meu bonito?

Ai sr. Rafael, saudades de você que me ouvia horas a fio tranqüilamente, que me dava broncas memoráveis, que respeitava quando acordava nos meus dias de silêncio agudo. Era respeito a maior prova do teu amor por mim. E isso é tão raro...

Rafa, eu gostaria de te escrever coisas da minha 'tagarelice aquariana', te contar comédias (por que eu sempre as tenho pra contar) mas hoje o céu azul do Ceará, não tá combinando com minha roupa preta, e com um sentimento meio opaco sobre as coisas... Mas, para você pensamentos de céu azul com coisas lindas. Sou grata por você na minha vida. Sou grata por todas as pessoas na minha vida. Só quero ser uma pessoa melhor para mim e para vocês.

Rafa ando cansada e humana...
Cansada de tantas coisas...

Dia desses te escrevo uma carta de alegria, mais a ver comigo. Vou abrir aqui Fernando Pessoa, aleatoriamente. Veja o que ele manda te dizer:

"Tuas mãos esgias, um pouco pálidas um pouco minhas,
Estavam naquele dia quietas
Cismavas, olhando-me
Como eu fosse o espaço.
Recordo para ter o que pensar, sem pensar.
De repente, num meio suspiro,
Interrompeste o que estavas sendo
Olhaste conscientemente para mim e disseste:
'Tenho pena que todos os dias não sejam assim'."

Mando um beijo, mando mil beijos!
Se cuida pelo 'Velho mundo'.
Li.

4 comentários:

Anônimo disse...

a carta nem para mim, mas mesmo assim li inteira, te achando uma pessoa incrível. eu te adoro morena! tenta ficar bem aê. e aquele nosso café? sai quando? beijão. Caio

Anônimo disse...

Fulô, assim: fico emocionado todas as vezes que me escreves aqui, no blog, e, principalmente pela força das entrelinhas. você é genial! amei o poema, amei todas as palavras (e os sentidos delas tbm). quero te ver mais feliz. sim eu quero. você merece muito, tudo! a frase do caio fernando abreu te define bem: sem enquadramentos. você acontece, é ímpar, especial, livre. todas as minhas cartas começam assim, falando da saudade também... é pq a saudade é grande... tanta... de vc... da sua falta de jeito em falar tudo o que pensa... da sua beleza... fulô...

saudades enormes de você! cada e-mail, fotografia que vc me envia me deixa feliz. quero um outro post contando das suas comédias (que sempre existem!). você só combina com o que é bonito, com o que é feliz, como o que é sofisticado.

e eu te mando um beijo. te mando cem beijos! (desses do jeito que você se empolga! rss)

"VOCÊ É RARA, BELA, FERA, ÀS VEZES DEUS EXAGERA"!

rafa(el).

Aline Lima disse...

Caio: eu me acerto beibe... nosso café sai quando você resolver não estudar mais a noite, rss. pq eu, proletária que sou, trabalho o dia inteirinho... (só no 'queixo'!). rss

Rafa: as entrelinhas, sim, elas sempre te fazem rir (eu sei). estou ficando bem, logo logo farei uma seleção das maiores comédias do derradeiro mês e, te conto. quanto a ser 'ímpar', tenho prefiro ser par. cadê vcê por aqui? (rss). saudade, vc já sabe. recebo e te mando os cem beijos ultra empolgada, rss.

beijos rapazes!
.aline.

Rafael Welter Feck disse...

caramba...
nas minhas expedições internéticas, consegui o que, daqui do garrão do país não conseguiria de outro jeito, chegar até tuas linhas, palavras, exclamações...
E como aquariano me vi no teu dramatismo, no que excêntrico, no que irônico.
E como Rafael, quis que alguém aqui fosse minha Aline, quis eu ser o teu Rafa.
Lindo teus textos.
Abraço de um novo leitor...