Páginas

sexta-feira, 26 de junho de 2009

.Dragões no alheamento.


[imagem: deviantart]

"(...) Que vontade, que vontade enorme de dizer outra vez meu amor, depois de tanto tempo e tanto medo. Que vontade escapista e burra de encontrar noutro olhar que não o meu próprio - tão cansado, tão causado - qualquer coisa vasta e abstrata quanto, digamos assim, um caminho".
[Caio Fernando Abreu]
.
.
.
Bela,

Amar é coisa muito delicada, medonha em sua força. Nunca é fácil, mas é possível.

As pessoas são vastas e, considero que ainda existam pessoas corajosas o suficiente para se aventurarem em relações maduras, onde omissões e mentiras sejam coisas desnecessárias (porque são). Lamentei tudo o que você me contou na carta. Mas te digo que: Em nossa busca por alguém onde a gente possa sossegar o sentir, há o risco de nos enganarmos. Existe sim. Risco (quase) calculado, porque pessoas são pessoas e só. E isso pode ser indicativo de que elas podem errar, de que nós (também pessoas) podemos errar, entender errado, olhar e gerar expectaticas controversas.

Bela, sem culpas, por favor!
Ninguém é culpado quando o sentimento acaba. Às vezes as cores desbotam e ficar junto, por ficar, não traz nada de novo, nenhum encantamento. E, você sabe como o encanto é algo de extremo valor para os dragões.

Das relações rápidas, não posso falar muito porque não gosto de nada raso, superficial. Eu sou assim e, como você vive dizendo, 'perco muita diversão por conta disso'. Será que vale a pena ficar na banalidade Bela? É sempre o que te respondo né? Mas é que as pessoas são tão delicadamente vastas que penso ser necessário um tempo, especial com elas... Algum tempo, talvez o tempo que merecer a relação (que sempre é incógnito).

Imagino o quanto você chorou nessas terras além-mar. Imagino minha amiga, como tá sendo difícil... Mas aí, você pega essa tristeza e extraia o melhor que você puder dela. Não o deteste. Parta do pensamento que as pessoas sempre fazem o que estão podendo fazer no momento. Olhando de fora, vejo que foi o que ele soube fazer e ser. Por isso não lamento. Lamento porque sei bem quando o que sentimos é pouco para o outro. Mas fazer o que né?

A gente caminha em busca de um novo amor.
Nem melhor, nem mais bonito. Apenas novo e incógnito cheio de descobertas. Já já, quando sarar tudo, você vai ver como o novo te trará o encantamento de sentir coisas boas por um ser humano completamente infinito - como somos.

O meu desejo é de que os dragões (você, eu, todos) encontremos alguém disposto para isso. Que fique sem precisar de muito. Que seja simples, mesmo que complexo. Que seja leve e doce. Que possua coragem o suficiente. Porque amar exige coragem.

A coragem!
Essa mesma que eu te grito daqui. Coragem Bela, enxuga as lágrimas, sara o coração e caminha distraída pelo mundo. Porque, amores sempre ão de pintar. Alegria!!!

Quanto a mim, estou em um momento reflexivo, quietinha. Tranqüila por fora, no olho do furacão por dentro, rss. Passa... Muita coisa aconteceu né? Paciência (a ciência da paz) tem sido palavra de ordem comigo. O novo? Não sei... Há de aparecer e, se já apareceu deve ter um tempo todo próprio de ser. O que é que se há de fazer? Nada de comodismo. É só uma exaustão de ter que fazer tudo sempre. Eu ando assim Bela, me sentindo cansada de um monte de coisa, principalmente da forma como algumas pessoas tem agido comigo.

Eu cansei. E tenho procurado um sossego... Aí, além de trabalhar incessantemente, sempre encontro tempo e leio coisas bonitas, bebo meu cházinho, olho o céu, escrevo para os queridos, converso com estranhos, vou à praia todos os domingos bem à tardinha olhar o mar. Uma busca por pequenos encantos diários. Ah!Meus cabelos estão crescendo, saiba.

Pois.
A vida que segue. Eu (dragão) tentando aspirar o melhor perfume dos que encontro por aí. O ser-humano é bonito, Bela. Não deixe que um ou outro que não te mostrou a beleza que, com certeza, possuía manchar teu coração com mágoas. Não permita. Amar é sempre uma alegria, uma confirmação de uma capacidade rara para os dias de hoje.

Amar é só para corajosos.
Dragões, como nós, que ainda paramos para olhar, ouvir e sentir intensamente as pessoas. Caio profeticamente diz: "Os dragões param sempre do lado esquerdo das pessoas, para conversar direto com o coração".

Com desejos de que você encontre um novo amor-real, eu te abraço carinhosa e demoradamente.
Li.

P.S.: O som do meu coração hoje é pra que você, Bela, não deixe de buscar!

--
Dá um play no som do meu coração!

4 comentários:

*Gabi* disse...

Que tenhamos coragem pra amar!
Belíssimo blog! Bj

Aline Lima disse...

Gabi: muito bem-vinda por essa minha 'terra' de palavras. coragem é preciso. =)

Anônimo disse...

Li, tentando ficar bem... mas não sou mulher-maravilha como você. mesmo assim, estou tentando. Brigadão pela carta. Brigadão por existir na minha vida. Eu te amo. Muito. :´)

P.s.: amei a música. sempre são lindos os sons desse teu coração que guarda a gente. ;*

Ah! Saudade das nossas tardes de conversa e café. Eu torço muito pra que exista 'O' cara (muito HOMEM) que mereça esse teu coração. Torço, pq vc merece. Li e morri de chorar "Os Dragões Não Conhecem O Paraíso", a tua cara! =)

Té!
Minha amora. Eu vou ficar bem. =)

Bela.
(das frias terras de além-mar)

Aline Lima disse...

Belinha: a força está o tempo todo em nós. bom retorno ao começo!!! saudades do convívio de amizade. sempre. te abraço!