Páginas

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Esperando Godot.


[imagem: Cia DOS À DEUX - obra Esperando Godot]

Acordei com essa idéia que Samuel Beckett (dramaturgo irlandês - 1906/1989) nos traz em sua obra curiosa ,de teatro, "En attendant Godot" de 1952. Assisti incansáveis vezes a diversas montagens desse texto e, em todas, me sinto (e ao mundo) naquela encruzilhada em algum lugar indefinito, com a mesma desolação das personagens em cena ( Vladimir e Estragon), a esperar. Ou com os diálogos "incoerêntes" de Pozzo e Lucky e as relações pessoais que as personagens travam. A espera de Godot é algo comovente. É a única ou última esperança? Ele não chega, mas manda um garoto avisar que talvez em um outro dia. Amanhã. O suspense enigmático do texto nos prende à narrativa nos perturbando sobre a espera. E, sempre se espera algo da vida, das pessoas que cruzam nosso caminho, de nós mesmos. A desolação é a mesma quando o que esperamos não chega.

Mas o mais importante nisso, para mim, é que mesmo sem a chegada, ainda assim, se possui uma certa confiança (ou fé) que o amanhã pode chegar, bonito, tranquilo, presente. Ou, ainda, de como é delicado nos abrigarmos em peles de adulto quando o que mais queremos é atenção e amor, como qualquer criança que renunciar à "realidade" do mundo com diversão, etc e talz. E que a solidão do caminhar, por estradas ,é menor quando se tem amigos e que, mesmo na espera a vida continua... Em frente e, as horas nos devoram.

Vladimir: É verdade, somos inexauríveis.

Estragon: É para não pensar.

Vladimir: Temos essa desculpa.

Estragon: É para não ouvir.

Vladimir: Temos esse motivo.
Estragon: Todas as vozes mortas.
Vladimir: Fazem um ruído de asas.

Estragon: De folhas.

Vladimir: De areia.

Estragon: De folhas!


Por aqui grandes questões sobre espaço, tempo e espera.
Quem ou o que é o seu Godot?
Sim. Todos temos um a esperar. Acredite!

5 comentários:

Gauche disse...

Nesses passeios virtuais, falsamente despretensiosos, dei de cara com este espaço repleto de palavras bem colocadas, ideias bem defendidas e assuntos que me são também muito caros. Encanto na certa! Preciso agora é de um tempinho para saborear bem cada letra, e assim encontrar, além da sua, a minha essência nelas.

Um forte abraço, moça.

Anônimo disse...

Texto perfeito Aline. Vc tornou-se uma mulher fantástica! beijo grande!
Caio.

Mônica. disse...

Esperas pela vida inteira.
Achei bonito.
Quero saber quem é meu Godot! =)

R.Vinicius disse...

Aline você me deu a graça de sentir e apreciar uma leitura que dificilmente encontro. Obrigado por isso! Ótimo final de semana. Abraço,

R.Vinicius

shdh disse...

It was not long cheap wow goldbefore some one knocked at wow gold for salethe house-door and called, open the door, dear children, your mother is here, and wow gold cheap has brought something back with her for each of you. But the little cheapest wow goldkids knew that it was the wolf, by the rough voice. We will fastgg not open the door, cried they, you are not our mother. She has a soft, pleasant voice, but your voice is rough, you are the wolf.

Then the wolf went World Of Warcraft Goldaway to a shopkeeper and bought himself a great lump of chalk, ate this and made mmogap his voice soft with it. The he came back, knocked at the door of the house, and igsky called, open the door, dear children, your mother is here and Cheapest Wow Goldhas brought something back with her for each of you.