Páginas

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Fading...


[imagem: .alinelima.]

Devanéia já nasceu pronta: mulher!
Solta pelos ares, na espera do que ainda não veio.
Seus cabelos, leves como o vento, são milhões de setas
apontando caminhos.
Sua boca um sinal vermelho-sangue.
Quando olha-se no espelho, gosta mais do que seus olhos reluzem.
A matéria refletida ali,não significa nada diante de seu coração.
Sente-se além.
Mantém os o
lhos fechados para fora, mas completamente atentos para os minunciosos movimentos interiores. Ouve atenta, como bicho na noite, o coração que pulsa...
É esse pulsar que a conduz à dançar sobre a corda bamba da vida.

Uma dança solitária, de si para si.
Movimentos, sons e pactos secretos com o tempo.
Ela busca um par que a olhe nos olhos e lhe estenda as mãos.
Ela quer.

Mas está tão cansada...

4 comentários:

Anônimo disse...

Você é linda demais!
Caio.

Mônica. disse...

Ameeeeei a Devanéia!
Bater um papo com ela! hehehe
:D

Anônimo disse...

"Quem dera a primavera da flor,
tivesse todo esse aroma de beleza"...
[C. Veloso].

Ana Valeska disse...

Ai, eu entendo a Devanéia. Tão livre, tão solta, tão pronta para viver, essa dançarina! Mas está cansada de dançar sozinha. Ai, eu entendo a Devanéia...