Páginas

sábado, 22 de novembro de 2008

Bem-aventurados sejamos todos nós!!!

DEIXAI VIR A MIM AS CRIANCINHAS

1. Bem-aventurados aqueles que têm puro o coração, porque verão a Deus. (São Mateus, cap. V, v. 8).


2. Apresentaram-lhe, então, criancinhas, a fim de que ele as tocasse; e como seus discípulos afastassem com palavras rudes aqueles que as apresentavam, Jesus vendo isso zangou-se e lhes disse: Deixai vir a mim as criancinhas, e não as impeçais; porque o reino dos céus é para aqueles que se lhes assemelham. Eu vos digo em verdade, todo aquele que não receber o reino de Deus como uma criança, nele não entrará. E as tendo abraçado, as abençoou, impondo-lhes as mãos. (São Marcos, cap. X, v. de 13 a 16).


3. A pureza do coração é inseparável da simplicidade e da humildade e exclui todo pensamento de egoísmo e de orgulho; por isso, Jesus toma a infância por emblema dessa pureza, como a tomou para o da humildade.


Deixai vir a mim as criancinhas:


18. O Cristo disse: "Deixai vir a mim as criancinhas". Essas palavras, profundas em sua simplicidade, não implicavam o simples chamamento das crianças, mas o das almas que gravitam nos círculos inferiores, onde a infelicidade ignora a esperança. Jesus chamava a si a infância intelectual da criatura formada: os fracos, os escravos, os viciosos; ele nada podia ensinar à infância física, sujeita à matéria, submetida ao jugo do instinto, e não pertencendo ainda à ordem superior da razão e da vontade, que se exercem em torno dela e por ela.


Jesus queria que os homens viessem a ele com a confiança desses pequenos seres de passos vacilantes, cujo chamamento lhe conquistaria o coração das mulheres, que são todas mães; submetia, assim, as almas à sua terna e misteriosa autoridade. Ele foi o facho que ilumina as trevas, o clarim matinal que toca o despertar; foi o iniciador do Espiritismo que deve, a seu turno, chamar a si não as criancinhas, mas os homens de boa vontade. A ação viril está iniciada: não se trata mais de crer instintivamente e de obedecer maquinalmente, é preciso que o homem siga a lei inteligente que lhe revela a sua universalidade.


Meus bem-amados, eis o tempo em que os erros explicados se tornarão verdades; nós vos ensinaremos o sentido exato das parábolas, e vos mostraremos a correlação poderosa ligando o que foi e o que é. Digo-vos, em verdade: a manifestação espírita alarga o horizonte; e eis seu enviado que vai resplandecer como o Sol sobre o cume dos montes. (JOÃO, o Evangelista, Paris, 1863).


19. Deixai vir a mim as criancinhas, porque eu possuo o leite que fortifica os fracos. Deixai vir a mim aqueles que, tímidos e débeis, têm necessidade de apoio e de consolação. Deixai vir a mim os ignorantes para que os esclareça, deixai vir a mim todos aqueles que sofrem, a multidão dos aflitos e dos infelizes; ensinar-lhes-ei o grande remédio para abrandar os males da vida, lhes darei o segredo da cura de suas feridas! Qual é, meus amigos, este bálsamo soberano, possuindo a virtude por excelência, este bálsamo que se aplica sobre todas as chagas do coração e as fecha? É o amor, é a caridade! Se tendes este fogo divino, que temereis? Direis a todos os instantes da vossa vida: Meu pai, que vossa vontade seja feita e não a minha; se vos apraz me experimentar pela dor e pelas tribulações, sede bendito, porque é para o meu bem, eu o sei, que vossa mão pesa sobre mim. Se vos convém, Senhor, ter piedade de vossa criatura fraca, se dais ao seu coração as alegrias permitidas, sede bendito ainda; mas fazei que o amor divino não dormite em sua alma e que, sem cessar, eleve aos vossos pés a voz do seu reconhecimento!...


Se tendes o amor, tendes tudo o que se pode desejar sobre a Terra, possuireis a pérola por excelência, que nem os acontecimentos, nem as maldades daqueles que vos odeiam e vos perseguem poderão vos arrebatar. Se tendes o amor, tereis colocado o vosso tesouro lá onde os vermes e a ferrugem não podem atingi-lo, e vereis se apagar insensivelmente de vossa alma tudo o que pode manchar-lhe a pureza; sentireis o peso da matéria diminuir dia a dia e, semelhante ao pássaro que plana nos ares, e não se lembra mais da terra, subireis sem cessar, subireis sempre, até que vossa alma embriagada possa se saciar de seu elemento de vida no seio do Senhor. (UM ESPÍRITO PROTETOR, Bordéus, 1861).

.
.
.
é que esses dias tenho pensado na 'criancinha' que ainda sou. e, feliz-mente sentido o acolhimento do meu Mestre. paz à todos os corações.

2 comentários:

Luana Couto disse...

Line, que bela reflexão... trazendo mais intensamente a energia do nascimento de Jesus em nossos corações.
"O amor torna tudo novo de novo..."

Lucinha disse...

Gosto demais do último parágrafo deste texto!!!

Fique com DEUS :)