Páginas

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Pensamentos de 'La Loba':

Entre um livro técnico e outro, tenho encontrado um tempinho para apreciar o 1º livro da minha amiga Ana Valeska Maia - Pulsão Irrefreável. Ana fala da mulher, de ser mulher, que para mim desde cedo foi coisa grande. Muito grande.

Então, hoje à tarde, lembrei de como fui criada. Na minha família 95% dos membros são mulheres. Cada uma guarda, em si, um mistério, um talento, uma força. Cresci ouvindo minha mãe falar que 'faz tudo o que um homem faz e, melhor, porque é mulher'. E, isso não era para afastar ou negar os homens. Simplesmente minha mãe, sabiamente, optou por não nos criar somente para o casamento. Ela nos ensinou a buscar o que queremos, irmos além do que a 'sociedade' impõe [no presente ou no passado]. Vi minhas tias trilharem seus caminhos em uma procura incansável por elas mesmas e, agora, eu e minha irmã, já crescidas buscamos a nossa identidade, o nosso lugar e querer. Como elas, não desistiremos. E, nessa busca encontra-se o amor. Estrela maior que nos guia pelo caminho.

Minha avó, referência feminina tanto quanto minha mãe e minhas tias, me conta sempre suas histórias de seu 'bom tempo', onde identifico o tanto de doação,silêncios, abdicação e privações foram superadas pela sua força em SER MULHER. Estou realmente emocionada com o trabalho da Ana Valeska, porque sempre percebi/senti o que ela materializa, agora, em forma de livro.

Como é bom, secreto e infinito ser mulher. Amo essa natureza, do intuir, de mudar assim como a lua, de doação para que nasçam novos corações para a vida - a maternidade, hoje opção, para mim é um dos maiores presentes dessa Inteligência Suprema que rege todas as coisas do Universo. Esse mesmo Universo do qual somos parte e ponte para novos seres. A natureza feminina há em todos os poros e passos da minha existência. E, se é verdade que reencarnaremos todas em corpos masculinos algum dia, humildemente (como só as mulheres conseguem ser) peço: Ó Sol sublime, nos faça mulheres por todas as vidas, através dos tempos.

[Continua à medida que for lendo o Pulsão Irrefreável].

Nenhum comentário: